Covid-19: Pacientes oncológicos devem manter tratamento seguindo recomendações para evitar contágio


As dúvidas sobre o novo coronavírus (Covid-19) vão sendo esclarecidas dia após dia para a população e já se sabe que há dois grupos de risco principais: indivíduos acimas de 60 anos e pessoas com doenças crônicas que afetam o sistema imunológico. Neste segundo, encontram-se os pacientes oncológicos, que, geralmente, por conta da própria doença ou mesmo em consequência do tratamento, têm sua imunidade suprimida. 

Há ainda dúvidas, no entanto, sobre o deslocamento dos pacientes que estão em tratamento, já que há uma recomendação de isolamento social para se evitar a propagação do vírus. O oncologista da CLION, clínica de oncologia do Grupo CAM, Carlos Frederico Benevides, reitera que, em hipótese alguma, o paciente oncológico deve deixar de fazer seu tratamento. 

Ele explica que as medidas de precaução devem ser atentadas pelo paciente e sua família, bem como nas clínicas onde são realizados os procedimentos. “De maneira geral, os pacientes oncológicos já têm um cuidado redobrado com sua saúde, justamente por terem um sistema imunológico afetado. Portanto, em tempos de pandemia de coronavírus, é fundamental seguir todas as recomendações para se evitar o contágio e a transmissão da doença”, afirma Dr. Carlos.

A CLION já adotou medidas para manter a segurança dos pacientes que estão em tratamento contra algum tipo de câncer. Segundo Dr. Carlos, os recepcionistas estão orientados para, a qualquer sinal de sintomas gripais, seja fornecido ao paciente, imediatamente, uma máscara. 

Além disso, a disposição das cadeiras na recepção foi alterada, mantendo a distância mínima necessária para evitar a transmissão. Ainda de acordo com Dr. Carlos, o call center também foi orientado a entrar em contato com pacientes cujos atendimentos não são urgentes, para que os horários possam ser adaptados evitando, assim, a aglomeração de pessoas. Para os pacientes em tratamento, há um acesso exclusivo que leva direto ao local do procedimento, evitando o contato com outros pacientes.

Acima de tudo, Dr. Carlos Frederico reitera que os pacientes oncológicos sigam as recomendações de higienização, isolamento e o não contato físico, assim como seus cuidadores. “Para as pessoas que estão acompanhando esses pacientes, é importante também seguir as mesmas recomendações, evitando aglomerações e evitar qualquer compromisso que possa ser adiado. Viagens, especialmente para o exterior, devem ser evitadas”. 

Em caso de qualquer suspeita de contaminação para o caso dos acompanhantes, é importante que este se afaste do paciente oncológico e possa ser substituído por alguém que não apresente qualquer sintoma gripal. A rotina do paciente também deve ser alterada. “Se ele costuma fazer caminhadas, por exemplo, importante ir em horários em que as ruas estejam mais vazias, por exemplo”.

O mesmo vale para aqueles que dependem do transporte público. “Se o tratamento é feito em um horário de muita aglomeração de pessoas, é importante alinhar com a equipe médica uma adaptação desse atendimento, para que o paciente possa seguir para o local fora das horas de pico”, explica.  

Dr. Carlos Frederico reitera que, caso um paciente oncológico seja contaminado, ele tem sim chances de reverter o quadro. “A maioria dos casos de contaminação por Covid-19 foram revertidos. Para isso, o paciente deve se precaver e, ao sinal de qualquer sintoma, procurar orientação médica para realizar os procedimentos necessários para que seja curado da doença”, conclui o médico.